Biografia

Tide Hellmeister

São Paulo – Brasil, 1942 – 2008

Artista plástico e gráfico que utilizava múltiplas técnicas sendo a colagem sua principal forma de expressão.

Paulistano de 1942. Breve estudo de desenho e pintura com o pintor João Suzuki. Iniciou-se profissionalmente como auxiliar de desenho e cenografia do extinto Canal 9, TV Excelsior, como assistente do pintor e cenógrafo Cyro Del Nero.
Colaborou na Massao Ohno Editora, executando livros de vanguarda como capista e programador visual, obtendo prêmio na Bienal do Livro do México, 1964. Criou capas de discos para várias gravadoras: RGE, Fermata, RCA Victor, Philips, recebendo o Prêmio Léo, na Argentina, como melhor capista de 1966.
Trabalhou no projeto visual para a implantação do Jornal da Tarde. Foi editor de diagramação e arte da edição diária e dominical no jornal Última Hora; diretor de arte no jornal Investimento; editor de arte na revista Roteiros de Viagem; editor de arte no jornal Aqui São Paulo. Fez reformulações gráficas dos jornais A Tribuna de Vitória (ES), Amazonas em Tempo, de Manaus, e em São Paulo dos jornais Shopping News, City News, Jornal da Semana e das revistas Problemas Brasileiros, Economia Paulista e Noticiário de Moda.
Ilustrou a coleção de Graciliano Ramos para a Editora Martins, Cia Nacional Brasiliense e Cia Melhoramentos. Colaborou com o Centro de Artes Novo Mundo, na execução de catálogos de arte: Retrospectiva de Guinard; O Grupo Santa Helena; Retrospectiva de Pennachi; Rebollo. Estes trabalhos lhe valeram o prêmio de melhor programador visual de 1973, categoria de Artes Visuais, conferido pela Associação Paulista de Críticos de Arte.
Diretor de arte do Sesc, Serviço Social do Comércio; SENAC, Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial; e da Federação e Centro do Comércio do Estado de São Paulo. Foi diretor e consultor de arte na Editora Abril entre 1978 e 1983, junto às revistas Exame, Quatro Rodas, Cláudia, Placar, Moto, Cláudia Moda, Viva Vida, Contigo, Nova, Saúde e Jornal Noticiário da Moda e também junto ao Departamento Comercial da Editora. Diretor de arte do Círculo do Livro; consultor de arte da Abril Cultural (depois Editora Nova Cultural) e da Editora Best-Seller. Autor do projeto visual para o Prêmio Abril de Jornalismo em 1983. Criou e editou o jornal Arte, Afinal.
Foi parceiro do jornalista Paulo Francis durante quase sete anos ilustrando o Diário da Corte nos jonais O Estado de São Paulo e O Globo do Rio de Janeiro.
Participou do projeto “A Imagem do Som” Caetano Veloso, em  1998, criando ilustração para a música “Jóia”.
Em 2000 realizou uma de suas principais exposições individuais: “Uma Aventura Tipo-Gráfica” na Pinacoteca do Estado de São Paulo, recebendo pela APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) o prêmio de melhor exposicão de design gráfico.
Desde 1987, em seu próprio estudio “Collages” em São Paulo, colaborava com os principais órgãos da imprensa do Brasil, prestava consultoria de arte, serviços de design e criações gráficas.

Prêmios

1964 – Bienal do Livro do México – Melhor Capista.
1966 – Prêmio Léo da Argentina – Melhor capista.
1973 – Associação Paulista dos Críticos de Arte – Melhor programador visual do ano.
1993 – Segunda Bienal Brasileira de Design – Curitiba – Prêmio excelência em Ilustração.
1994 – Associação Paulista dos Críticos de Arte – Design Gráfico.
2000 – Associação Paulista dos Críticos de Arte – Melhor exposição de design gráfico pela sua mostra individual na Pinacoteca do Estado de São Paulo – Colagens – Uma Aventura Tipo-gráfica.